Comportamentos que devem ser evitados no trabalho :: IBC

colegas fofocando

Confira alguns dos comportamentos que devem ser evitados no trabalho.

Ser produtivo, obter reconhecimento, manter um bom relacionamento interpessoal, gerar resultados. Esses, sem dúvida, são alguns dos objetivos de qualquer profissional dentro do ambiente organizacional. Mas, para que tudo isso aconteça, é necessário manter uma postura adequada e evitar hábitos sabotadores.

Tais hábitos, além de prejudicarem sua carreira, podem manchar sua imagem perante seus superiores e atrapalhar os processos de trabalho. No artigo a seguir iremos explicar com mais detalhes quais são 01É sempre interessante ficar atento para não adotar posturas inadequadas sem perceber.

Conheça os comportamentos que devem ser evitados no trabalho

Muitos profissionais são preparados do ponto de vista técnico para assumir desafios mais significativos dentro das empresas em que atuam. No entanto, mesmo com a capacitação em dia, não conseguem crescer dentro da organização. Outros profissionais estão sempre mudando de emprego e não conseguem entender porque isso acontece.

O fator-chave nesses casos pode ser o comportamento do profissional no ambiente de trabalho. Algumas atitudes podem gerar uma imagem negativa para o profissional e, dessa forma, colocá-lo no final da lista de potenciais promovidos. 

Entender quais comportamentos são inadequados e evitá-los é essencial para o crescimento na carreira. Confira alguns dos comportamentos que devem ser evitados no trabalho:

1. Livre-se da fofoca

Ao contrário do que se pensa, a fofoca é uma atitude destrutiva muito presente em ambientes organizacionais, que pode prejudicar seu desempenho profissional. Além de gerar consequências graves e ser muito deselegante. 

Segundo uma pesquisa realizada pelo LinkedIn em 2011, com cerca de 17 mil usuários de diferentes países, a fofoca é o comportamento que mais irrita os profissionais no ambiente de trabalho (83%). Para evitar as famosas “panelinhas” ou “disse me disse”, nunca fale mal de alguém para seus colegas, isso pode acabar virando uma corrente negativa.

Outra dica importante é não repassar comentários negativos sobre algum colaborador. Se alguém fez um comentário sobre outra pessoa, deixe claro que não deseja compartilhar, caso não seja possível, guarde o que ouviu somente para você. Fique longe de pessoas que fazem comentários maldosos uns dos outros, atitudes assim não somam em nada em sua carreira.

2. Evite ser um profissional “reclamão”

Pare para pensar em algumas questões importantes: você costuma reclamar de seu trabalho? Se queixa de sua liderança? De seu local de trabalho? De sua carreira? De seu futuro profissional? De sua vida?

Se respondeu sim para alguma dessas perguntas, é bom ficar atento, você pode estar com o mal do “profissional reclamão”. Aquele colaborador que nunca está satisfeito, reclama de suas atividades, de seus colegas, das demandas recebidas, do ambiente de trabalho, do salário e até de si mesmo.

Lembre-se que você está em um local de trabalho e, diante disso, está sendo observado o tempo todo. Reclamar não te levará a lugar nenhum e se trata de uma atitude que não condiz com o ambiente profissional. Se está insatisfeito com algo, tome a iniciativa de mudar essa situação ao invés de murmurar. 

Reflita e coloque no papel os motivos da sua insatisfação com indicações de possíveis ações de melhoria. Faça essas alterações sem precisar alardeá-las aos colegas. Quando algo nos incomoda, é um problema particular nosso que não deve ser usado para atrapalhar os colegas. 

3. Tratar assuntos pessoais no trabalho

Outro comportamento que deve ser evitado no trabalho são as questões pessoais. Não deixe que sua vida pessoal interfira em seu trabalho. Evite fazer ligações, abrir e-mails ou mesmo acessar redes sociais pessoais. Lembre-se de que você está em seu local de trabalho e precisa de foco. Todas estas questões podem tirar sua atenção e interferir em sua produtividade.

Passar parte do tempo de trabalho resolvendo questões pessoais também passa a mensagem de que não é profissional e não está comprometido. Durante o expediente, você deve ter sua atenção voltada às tarefas que precisa concluir. Ao não desviar sua atenção, se tornará mais produtivo. Tenha em mente também que é válido preservar a sua vida pessoal, evitando dividir intimidades com as pessoas à sua volta.

4. Não cumprir seus horários

É fundamental respeitar os horários impostos pela organização em quem trabalha. Cumpra sua jornada de trabalho e, nos casos em que precisar se ausentar por algum motivo, lembre-se de notificar o departamento de RH. Isso, além de ser uma obrigação de cada colaborador, também mostra seu compromisso com a empresa e seu trabalho.

Ressaltamos que não cumprir horários pode se tornar um motivo para demissão. E novamente destacamos que esse é um comportamento que não denota uma postura profissional. Ao ter dúvida sobre um determinado comportamento, questione-se: “se eu fizer isso vou passar a imagem de um profissional responsável?”. 

5. Cuidado com as vestimentas inadequadas

O uso de roupas inapropriadas para o ambiente de trabalho é um dos comportamentos inadequados mais comuns dentro do ambiente organizacional. Para mudar esta conduta, veja em sua empresa se há alguma norma sobre que tipo de vestimenta usar e, caso não haja, opte pelos trajes sociais, como os terninhos para as mulheres e camisa social para os homens.

Evite chamar atenção com roupas muito curtas, coloridas ou maquiagem pesada. Lembre-se que este é seu ambiente de trabalho e você não quer passar uma má impressão. Para quem tem dúvidas, é interessante apostar na máxima de que “menos é mais”, com peças mais sóbrias e que estejam de acordo com o grau de formalidade do ambiente. 

6. Falta de respeito

Não há nada pior que um colaborador que não respeita seus superiores e colegas de trabalho. A falta de respeito pode prejudicar seu trabalho e, em alguns casos, até gerar desligamento da empresa por justa causa. 

Fazer piadas a respeito de colegas ou criar situações constrangedoras para outras pessoas pode configurar até mesmo assédio moral. Fique longe deste comportamento sabotador e de pessoas que costumam ter essa atitude. Respeito é fundamental em qualquer ambiente, principalmente no organizacional.

7. Problemas com hierarquia

Embora haja um movimento de tornar as empresas mais horizontais, ainda há que se manter o respeito em relação aos líderes de equipe e gestores. Alguns profissionais podem confundir essa horizontalização com uma “permissão” para serem mais informais. Dependendo da falta de medida, isso pode gerar situações desagradáveis e desrespeitosas. 

Aprenda a falar menos e ouvir mais, respeite a hierarquia da empresa e sua liderança. Preste atenção a como funciona a hierarquia na companhia, em alguns casos pode não ser tão claro, mas há a presença de estruturas de liderança que precisam ser consideradas.

8. Recebimento de feedbacks 

Aprenda a receber feedbacks, tanto positivos quanto negativos, de maneira madura, com certeza eles têm muito a contribuir com o seu desenvolvimento profissional. Os elogios devem ser usados como incentivo para manter seu aprimoramento. Por sua vez, os feedbacks negativos devem ser entendidos como indicações de potenciais mudanças.

Considere que é importante que alguém de fora te aponte algo que talvez não pudesse enxergar sozinho. A partir desse apontamento, você poderá considerar formas de mudar algum comportamento que não está alinhado com as suas expectativas de crescimento.

Por exemplo, imagine que o seu gestor diz que você precisa trabalhar melhor em equipe. Entenda como uma indicação para se esforçar mais para desenvolver projetos com seus colegas.

Evitando os comportamentos inadequados você tem grandes chances de crescer na sua carreira!

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC – Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.

*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.



LINK DA FONTE

Rolar para cima