como lidar com a dor do divórcio e recomeçar

Thaiana Brotto

Espero que você goste desse artigo Conheça as psicólogas que atendem em São Paulo presencialmente e também online por vídeochamada.

Separação: como lidar com a dor do divórcio e recomeçar

Separação: como lidar com a dor do divórcio e recomeçar

A separação normalmente causa muita dor, além de gerar questionamentos sobre como será a vida depois do término. A necessidade de fazer mudanças no estilo de vida e recomeçar é assustadora.

Afinal, por onde começar? Como fazer tudo isso com o peito apertado? Psicólogos explicam que os cuidados com a saúde mental durante o antes, durante e depois do divórcio precisa ser redobrado para tornar esse processo mais brando.

Por que dói tanto a separação?

O término de um casamento não costuma ser fácil, independentemente dos motivos que levaram ao seu fim. Mesmo quando o divórcio acontece de modo amigável, os ex-cônjuges sentem a falta da rotina antiga ou da presença de uma pessoa sempre ao seu lado, ainda que não seja do ex em si.

A dor da separação é mais intensa quando ainda existem sentimentos pelo ex-parceiro. Alguns casamentos não acabam porque o amor chega ao fim, mas por questões de incompatibilidade de crenças e estilos de vida. Até mesmo quando ocorre uma traição ou quebra da confiança, as pessoas sofrem com o término do casamento.

Não é possível extinguir sentimentos de um dia para o outro. Leva tempo para assimilar os sentimentos provocados pelo divórcio e a noção que a vida não será a mesma. O medo de precisar viver uma realidade totalmente diferente e, por vezes, viver uma realidade oriunda do fim de um sonho pode paralisar.

Muitos divorciados se perguntam quanto tempo dura o sofrimento de uma separação e a resposta varia muito de indivíduo para indivíduo, bem como de situação para situação. Há quem sofra por alguns meses ou vários anos. O que é preciso ter em mente é que nenhum sofrimento é para sempre, ainda que possa ser longo.

Como saber se o fim de um relacionamento tem volta?

Casais divorciados podem retomar o casamento após o divórcio, seja meses ou anos depois. Por mais que as pessoas ao redor deles não compreendam a decisão, os casais reencontram a felicidade um no outro e desejam dar continuidade a relação.

Muitos fatores influenciam esses casos, mas, sobretudo, a capacidade de deixar possíveis erros, desentendimentos e ressentimentos no passado. Quando os cônjuges se comprometem a recomeçar depois do fim do relacionamento, eles estão com o foco no presente e no futuro da relação.

O compromisso em fazer o casamento ou relacionamento dar certo, ouvindo as necessidades e desejos do outro, também parte de ambas as partes do casal.

Como recomeçar a vida depois de um divórcio?

Com a inundação de emoções, pensamentos e lembranças de caráter negativo que costuma ocorrer após o divórcio, você pode pensar que é impossível recomeçar a vida depois da separação. Pelo menos, não totalmente. Mas, assim como acontece com todas as situações da vida, esse mal-estar emocional passa.

Abaixo, veja algumas dicas de como recomeçar a vida depois de um divórcio.

Permita-se passar pelo período de luto

O fim de um ciclo sempre desperta uma sensação de luto. O divórcio, a demissão, a conclusão de curso e até experiências que marcam o fim de uma fase específica. Nos primeiros dias, ficamos perdidos sem o contato com aquilo que costumávamos interagir diariamente. A ausência de pessoas que compunham o nosso dia a dia é especialmente difícil de lidar.

Permita-se ficar irritado, frustrado e triste após o divórcio. Tentar agir como se nada tivesse acontecido ou como se a situação não o atingisse não é saudável. Nós precisamos de tempo para processar os nossos sentimentos e compreender que as nossas vidas não serão mais as mesmas.

Evite procurar brigas

Nem todo divórcio acaba de maneira amigável. Muitas vezes, as pessoas guardam sentimentos e palavras dentro delas e explodem em momentos inoportunos. Quando não se é possível ter uma conversa sincera com o ex-cônjuge sofre o fim do relacionamento, a tendência é se apegar a ressentimentos e nunca ter a sensação de “encerramento” das questões emocionais.

Culpabilizar o ex, fazer acusações e cobrar comportamentos que ele poderia ter tido durante o casamento não vão ajudar você a ficar bem depois do divórcio. Quando crianças estão envolvidas, elas sofrem com a animosidade entre os pais e as disputas pela guarda, bem como com brigas sobre o modo correto de criar os filhos.

Então, evite procurar brigas com ex. Há outras maneiras de aliviar sentimentos ruins e, eventualmente, ficar em paz com a separação.

Busque ajuda de pessoas queridas

Familiares e amigos podem ajudá-lo a superar a dor do divórcio. Você pode sentir a necessidade de se isolar nos primeiros momentos e não há problema nenhum em querer passar um tempo sozinho para refletir sobre a sua vida e os seus sentimentos. Entretanto, não se entregue ao isolamento. Converse com pessoas queridas sobre como você se sente e procure fazer coisas divertidas ao lado delas para cuidar do seu humor.

Pratique o autocuidado

Não deixe de cuidar de você neste momento delicado. É normal as pessoas se culparem a ponto de acreditarem ser as piores pessoas do mundo por conta da separação. A sensação de fracasso é outro fator estressor comum, o qual tem o potencial de roubar o sono das pessoas. Logo, a prática do autocuidado é ainda mais importante após o divórcio.

Algumas maneiras simples de cuidar de você e superar a dor da separação são: viajar, fazer algo que você sempre quis (como um curso ou uma atividade), praticar exercícios físicos, escrever sobre seus sentimentos, cuidar da alimentação, entre outros.

Tenha paciência

Toda fase da vida, independentemente do quão ruim ela possa ser, passa. Tenha paciência consigo mesmo enquanto passa pelo processo do divórcio e trabalha para recomeçar a sua vida após a separação. Pode parecer que os sentimentos e os pensamentos negativos nunca mais irão embora, mas esse nunca é o caso.

Não se apegue a esse período de adversidade da sua vida. Pode parecer paradoxal, mas muitas pessoas, quando estão começando a se sentir bem, recusam a deixar o mal-estar emocional ir embora pelo comodismo e até medo da felicidade. É preciso se dar permissão para viver o luto, mas não se apegar a sentimentos ruins.

Foque na sua rotina diária

Mantenha o foco na sua rotina diária. Trabalhe, cuide da casa, pratique os seus hobbies, converse com as pessoas e, basicamente, viva a sua vida. É claro que será necessário fazer algumas mudanças, principalmente quando filhos estão envolvidos. Torne encontrar a melhor maneira de viver o cotidiano após o divórcio um de seus objetivos. Deste modo, você não gasta tempo alimentando pensamentos ociosos e ansiedade.

O que não fazer depois da separação?

O ego dos ex-cônjuges às vezes os cegam. Na tentativa de atingir o outro e fazê-lo sofrer pelo sofrimento causado durante o casamento e após o divórcio, tomam atitudes que provavelmente não teriam anteriormente. Um processo de separação que poderia ser tranquilo acaba se transformando em um pesadelo não apenas para o casal divorciado, mas para seus filhos, familiares e amigos.

Depois da separação, não pense no passado. Não fique se lamentando, pensando que as coisas poderiam ter sido diferentes ou culpando o outro por X ou Y. O que é importante neste momento é viver a sua vida no agora. O que você pode fazer para ter uma vida legal hoje e continuar a ter uma vida bacana no futuro?

Se você sente que muitas coisas ficaram no ar, chame o ex para conversar. Expresse os seus sentimentos com o objetivo de tirar aquilo do seu peito e ouvir o lado dele também, sem expectativas de que ele irá entendê-lo. Uma conversa sincera é capaz de lavar a alma e prepará-lo para iniciar uma nova fase da sua vida.

Como a terapia pode ajudar no processo do divórcio?

O atendimento psicoterapêutico pode ser essencial durante o processo de divórcio. A dor da separação pode roubar a perspectiva de vida após o término. O que fazer agora? Será que você encontrará alguém para amar algum dia? Será que ficará sozinho para sempre? Embora seja normal entreter esses questionamentos, não é bom passar muito tempo neles.

Se você se sente assim, não hesite em procurar um psicólogo.

A terapia pode ajudá-lo a digerir sentimentos e emoções negativas, entender e aceitar o passado, desenvolver um bom relacionamento com o ex-cônjuge, aprender a conversar com os filhos sobre o divórcio, entre outros. À medida que você começa a se sentir melhor consigo mesmo e com essa situação, com a ajuda do psicólogo, as demais áreas da sua vida também melhoram.

Quem leu esse artigo também se interessou por:

Outros artigos com Tags semelhantes:

*Os textos do site são informativos e não substituem atendimentos realizados por profissionais.

Thaiana Brotto

Autora: psicóloga Thaiana F. Brotto – CRP 106524/06 Formação: Thaiana Filla Brotto é psicóloga registrada no Conselho Regional de Psicologia sob o número 06/106524. Thaiana se formou em Psicologia pela PUC-PR em 2008, fez pós-graduação em Terapia Comportamental pela USP e é pós-graduanda em Neurociência pela PUC. Thaiana já escreveu mais de 400 artigos para o Blog Psicólogo e Terapia.

LINK DA FONTE

Rolar para cima